26 de dez de 2016

SENTA A PÚA – O QUE SERÁ DO ROCK RORAIMENSE EM 2017?


Por Victor Matheus

O fim de ano representa o encerramento de ciclos, de metas, sonhos, projetos, e resoluções. É a oportunidade que todos temos de avaliar nossas atitudes e o que conquistamos ao longo da jornada de 365 voltas ao redor do sol. 

Com a chegada de um novo ano, também surgem novas oportunidades de retomar projetos, renovar metas e alinhar novas ambições. A roda magnífica da Vida em sua plenitude reinicia mais uma jornada, e cabe somente a você a escolha de seguir em frente ou retroceder.

O ano de 2016 foi incrível! Olhar no retrovisor da história é como mergulhar numa turbulenta, imprevisível, deliciosa e empolgante viagem às lembranças e experiências que nos trouxeram até aqui, e temos muito a agradecer por tudo que vivenciamos neste ciclo.

Quando o mergulho toma a direção do rock roraimense, desde que acompanhamos no já distante ano 2000, constatamos que o mesmo sempre foi movido por dois ingredientes antagônicos: tretas e diversão. 

O primeiro, ingrediente amargo, infelizmente foi essencial para moldar o cenário rock que temos hoje, sendo o reflexo imediato dos tempos de mudança na consciência da sociedade, sobretudo no cenário político que retirou a chupeta de muitos alienados, e abriu os olhos e mente para novas possibilidades de escrever uma nova história. 

Neto Baraúna (Garden) e o Blogger Victor Matheus (Veludo Branco)
Encontro old rocker no Fest Rock

O rock macuxi foi um bom parâmetro para tal, afinal, nunca foi tão latente o ódio e o boicote as bandas nas quais seus integrantes declararam abertamente apoio ao conservadorismo, enquanto aquelas alinhadas do lado oposto se perderam no discurso, e na atitude além dos palcos. Esqueceram a essência do rock, e virou massa de manobra feito gado indo ao abate.

Bandas que se alinhavam a estas ideias de pensamento e de submissão ideológica acabaram no ostracismo, sucumbindo à roda do tempo que não perdoa, enquanto àquelas alinhadas ao segundo ingrediente, mais açucarado, infinitamente mais saboroso e inspirador, evoluíram e vem construindo uma sólida e promissora carreira. Os indicados do 2º Prêmio Melhores do Ano Roraimarocknroll são um bom parâmetro para reconhecê-las.

É! O rock roraimense é mesmo feito de tretas e diversão... De bandas, grupos culturais e produtores culturais envolvidos e em supostos esquemas de corrupção, a outras que apenas surgiram para fazer o bom, honesto e direto rock n’ roll, neste ano tivemos um desfile de hipocrisia nas redes sociais e muita atitude fora do mundo virtual.

O retorno do inigualável Fest Rock em 2016

Dois mil e dezesseis foi o ano do rock underground fincar definitivamente sua bandeira na cena rock macuxi. Bandas surgiram aos montes, na mesma proporção também acabaram, por falta de oportunidades, ou mesmo acomodação. As persistentes seguiram em frente, e demonstraram ao longo do ano que a maturidade já bate, enfim, a porta do rock macuxi. 

As tretas, inevitáveis e com plateias cheias, aos poucos foram apagadas pela diversão. Eventos undergrounds surgiram para todos os gostos, em todos os cantos da capital Boa Vista, e também no interior. Novas bandas surgiram dando novo gás para essa geração Z, tão carente de conteúdo e alienada.

Sexta Rock do Antique Pub

Tivemos o retorno do maior e mais importante festival na história do rock de Roraima, o Fest Rock, que chegou a 11ª Edição e abriu o calendário dos grandes festivais de rock do Estado. Ainda tivemos eventos menores, a presença de bandas de outros estados e países, e uma maior aproximação com artistas e bandas da Venezuela que já integraram a cena e hoje são essenciais para o amadurecimento que aponta o cenário rock local.

O ano também foi de tristezas para o rock roraimense. Perdemos um grande entusiasta do rock e do esporte, Tom Souza, grande ser humano que teve sua vida ceifada pela imprudência no trânsito de Boa Vista. Uma justa homenagem foi feita por bandas e amigos do Tom, o headbanguer skatista mais gente fina que conhecemos desde os tempos de rock na pista de Skate do Ayrton Senna e Espaço Rock do Sesc Centro e que sem dúvida fará muita falta para todos.

Eterno Tom Souza - Skatista e headbanguer

Entre alegrias e tristezas, o rock roraimense caminhou para um futuro promissor. A cena do extremo norte do Brasil superou a utopia e vem se consolidando com uma promissora geração de bandas de diferentes vertentes que, se manterem a humildade e o profissionalismo, podem muito em breve figurar no circuito independente, e até nas grandes arenas do rock nacional.

Esperamos e sobretudo desejamos que o ano de 2017 seja um novo divisor de águas no rock roraimense, que mais bandas apareçam, que bandas veteranas se inspirem e retornem a tocar, compor, gravar e lançar novo material, e que esta nova geração de bandas continuem valorizando o profissionalismo, a ética e o respeito àqueles que somam e colaboram para o rock de Roraima ser grande e reconhecido. 

Shangri-lá 2016 reestabeleceu a conexão das cenas do Amazonas e de Roraima

As palavras de ordem são respeito e maturidade. Se houver respeito entre as bandas, produtores culturais e espaços para o rock macuxi, e maturidade das bandas em reconhecer que no profissionalismo e humildade podem conquistar muito em suas carreiras, quem sabe teremos ao final do próximo ano um nome do rock macuxi figurando na cena nacional, e levando consigo o nome de Roraima e de todos que aqui compartilham do amor pelo rock. Somos otimistas e temos certeza que o sonho é possível.

Aos leitores do Blog Roraimarocknroll nossa gratidão pela audiência, pelo feedback, pelo apoio e pelas críticas que sem dúvida melhoram em muito a qualidade do conteúdo produzido pelo blog e nossos projetos futuros.

As bandas do rock roraimense, desejamos que 2017 seja de muito rock, com mais diversão e menos tretas, e que o amor pela música seja maior que o ego. Somos parte da mesma cena, do mesmo palco, do mesmo estilo de música, e queremos ver todos no mesmo rolê fazendo o que mais amamos: rock n’roll!

Fecha a conta.