8 de set de 2011

WEB TV: Banda Garden gravando novo disco

* Victor Matheus
 
A internet de Roraima não está colaborando, mas com paciência conseguimos por a WebTV Roraimarocknroll para funcionar novamente
Confira a cobertura audiovisual da gravação do segundo disco da banda Garden, no estúdio Parixara, em Boa Vista - RR. 
 
O video apresenta um resumo do que está rolando nas gravações, os bastidores e depoimentos de Siddhartha Brasil e Neto Baraúna, além da performance ao vivo da banda durante a gravação.
 
Aprecie o vídeo da Web TV Roraimarocknroll que se preocupa em informar, potencializar e apoiar a cena rock roraimense.
 
 

7 de set de 2011

ROCK RORAIMENSE invade o Amazonas

* Victor Matheus

A cidade de Manaus-AM recebe no próximo fim de semana, entre os dias 09, 10 e 11,no rio Negro Clube o II Amazonas Tattoo Convention.

A maior convenção de Tatuagem da Região Norte do Brasil contará com uma vasta programação, como Concurso de Tatuagem, Festival de Bandas, e escolha da Miss Amazonas Tattoo.


O rock roraimense será representado no evento com as bandas de som extremo e pesado da cena, entre elas Iekuana, Old Funeral e Epilepsy.


Confira a programação do II Amazonas Tattoo Convention


Iekuana tocará em Manaus no Amazonas Tattoo Convention

* Sexta-Feira · 09/SET 
DJ’s 
Exposição de Artes 
Documentário: O Curupira 
Tatuadores atendendo ao público 
Sorteio de Brindes 

Show de Bandas: 
Os Fusiveis – 19h as 19:40 
No Choice – 19:50 as 20:20 
Dry Martinis – 20:30 as 21:10 
Alaidenegão – 21:20 as 22h 

* Sábado · 10/SET 
Concurso de Tatuagem 
DJ’s 
Concurso Miss Amazonas Tattoo 
Palestra: Lister Boris 
Tatuadores atendendo ao público 
Sorteio de Brindes 

Show de Bandas: 
Lavousier – 19 as 19:40 
Maltrajados – 19:50 as 20:30 
Old Funeral (Boa Vista) – 20:40 as 21:20 
Iekuana (Boa Vista) – 21:30 as 22:10 
Blindfold – 22:20 as 23h 

* Domingo · 11/SET 
Premiação: Festival de Bandas 
Premiação: Concurso de Tatuagem 
Premiação: Mellhor Tela 
Premiação: Miss Amazonas Tattoo 
Tatuadores atendendo ao público 
Sorteio de Brindes 

Show de Bandas: 
Reginas – 19h as 19:40 
Tattva – 19:50 as 20:30 
Epilepsy – 20:40 as 21:20 
Tampa39 – 21:30 as 22:10 
Extremamente Tosco – 22:20 as 23h

5 de set de 2011

A NOVA ORDEM LOCAL


* Victor Matheus

O ano de 2011 têm sido bem agitado para a nossa emergente cena rock, com muitas bandas em ascensão, outras sucumbindo no meio do caminho, e aquelas que continuam a margem, seguindo a passos moderados e firmes consolidando suas carreiras.

No início do ano, escrevi aqui mesmo no blog um texto intitulado “Os frutos das sementes de ontem” onde apontava, no meu ponto de vista, quais bandas locais, tinham lastro para se destacar na cena e alçar vôos mais altos, entre elas Jamrock, Elvis From Hell (rebatiza Johnny Manero) e Sheep.

Passado o primeiro semestre, volto a analisar o cenário e apontar o que de bom surgiu de janeiro pra cá, em termos de bandas, o que se tornou descartável, e quem merece nossos aplausos.

A VELHA GUARDA REINVIDICA SEUS DIREITOS


Banda Garden

O ano também foi de recomeço para muitas bandas antigas do nosso cenário. A banda Sheep retornou aos palcos e provou que ainda é uma das melhores bandas de todos os tempos de Roraima. Não querem, por opção mesmo, ousar mais em sua carreira. O lance dos ovelhas é mesmo a curtição, subir no palco e deixar o som rolar.

Os veteranos da banda Garden após um breve hiato estratégico voltaram a cena revitalizados, com um disco novo as portas de sair na praça, e mais maduros, não só musicalmente, mas profissionalmente, com uma visão mais ampla de como conduzir sua história. Ainda dão aula de como se toca em cima de palco, e deveria ser vista por todas as novas bandas que acham que só tocar três notas desafinadas é suficiente para detonar.

Os corrosivos da HCL se reinventaram, mudaram de formação, mudaram de novo, chutaram umas bundas, destruiram alguns postes, enxugaram muitas torres de chopp, ofenderam as esposas, mandaram outros tantos calar a boca e além disso aprenderam a tocar afinado e de forma organizada. Ainda fazem muito barulho, mas são honesto naquilo que se propõe. É entretenimento dos bons pra quem só quer curtir uma boa farra com os amigos.

Ainda tivemos um revival fake da banda Lepthospirose, o que até me animou, mas ao constatar que não passava de mais uma manobra obscura, não vale a pena nem citar, perdi as esperanças, por isso vou apostar na campanha #voltaln3 agora.

E AS SEMENTES DERAM FRUTOS


Banda Jamrock

Do outro lado da pista, correndo pela tangente, novas bandas surgiram no cenário, de estilos diferenciados. Em comum, todas com integrantes de pouca idade, mas com futuros promissores se manterem a cabeça no lugar e foco no trabalho.

Jamrock ganhou disparado como a maior promessa da música de Roraima na atualidade, e tem tudo para no próximo ano se tornar a banda mais conhecida de Roraima de todos os tempos.

Contemporâneos da Jamrock, a banda Ostin recuperou o fôlego, organizou a casa, recrutou velhos integrantes e voltou a figurar entre as principais bandas da nova safra, seguindo os passos da Sheep, sem pressa de chegar ao topo da montanha. Transcendeu o HC e se tornou pop, sem culpa na ficha. São honestos e humildes, além de possuir um dos futuros grandes guitarristas locais.

E OS OUTROS?

As outras bandas da cena, fica a dica: Aos grupos independentes, como Kandelabrus Iekuana, Haadj, bandas com potencial e em ascensão, continuem nessa estrada, pois nada melhor que cuidar do próprio caminho sem precisar lamber saco de ninguém. Aos que participam de outros grupos, que façam valer sua força e representatividade, reivindiquem seus espaços e oportunidades por direito, trabalho e mérito, porque afinal de contas, ninguém quer só ficar vendendo cerveja em festa, carregando caixa de equipamento, tocando em evento mais do mesmo para os tios e coleguinhas enquanto os pais se divertem Brasil afora. Dessa conversa não preciso mais me estender. Todos já sabem o que penso. Deixo para os anônimos se fartarem, afinal, todos sabem quem são eles.

Fecha a conta.

1 de set de 2011

COLUNA FALO MESMO: História do Rock - Parte 3

Coluna Falo Mesmo
por Ellen Carmaine*
 
A HISTÓRIA DO ROCK - PARTE 3

E as pedras rolaram na Inglaterra. Muitos grupos ingleses também fizeram sucesso no mundo! Grupos como os Rolling Stones e The Who marcaram os anos 60.
Rolling Stones

O nome veio de uma música de Muddy Waters - rolling stones gather no moss (pedras que rolam não criam musgo) - e assim nascia Rolling Stones, fundada pelo guitarrista Brian Jones. O vocalista, Mick Jagger tornou-se líder após a saída de Jones. A influência negra é uma das marcas do grupo, além da sensualidade e uma certa androginia, características da performance de Jagger. Polêmica e, também, contestadora, um dos maiores sucessos da Rolling Stones foi e, depois de décadas, ainda é, é a música (I Can't Get No) Satisfaction.

Outra banda que merece destaque no cenário roqueiro da mesma época é The Who. A banda conseguiu unir a busca pela sinestesia e a sensualidade na ópera-rock "Tommy". O que mais caracterizou The Who foram as suas performances. Antes de Nirvana detonar seus instrumentos, The Who o fez isso primeiro. Esse costume se tornou comum entre as bandas rock posteriormente e isso tem uma explicação. Segundo estudiosos das manifestações culturais de antigas tribos, a raiz desta atitude dos artistas de rock está no potlatch.

The Who

O potlatch é uma prática das sociedades primitivas que consiste na troca ou destruição de bens pelos chefes dos clãs ou da tribo. O líder afirma com esse gesto sua independência, mostrando maior capacidade de retribuir do que de receber. (…) desafia assim os chefes de outras tribos a negarem, como ele, a riqueza, recolhendo desse ato de aparente autodestruição um prestígio político imenso, e reforçando sua imagem junto aos seus. (MUGGIATI, 1985, p. 100).

E isso era aceito pelo público, o que mostrava uma nova forma de comunicação entre a banda e a platéia de seus shows. Daí, nascia o famoso Hard Rock, por ser um estilo mais pesado e sofisticado e com atitude.

Nesse contexto, começaram a surgir guitarristas que herdaram o virtuosismo de Hendrix, como Eric Clapton e Jimmy Page. Clapton fez parte da banda Cream, que se preocupava mais com a elaboração instrumental, isto é, muitas melodias e solos de guitarras bem trabalhados. O grupo alcançou níveis sonoros de uma orquestra apenas com o som de estúdio, algo inédito naquela época. Com isso, Cream teve grande repercussão, tendo o álbum "Disraeli Gears" como o mais vendido nos Estados Unidos. Já Jimmi Page, tocou inicialmente, com The Kinks e Joe Cocker. Também integrou o grupo Yardbirds (que posteriormente se transformaria no led Zeppelin, nos anos 70), a convite do guitarrista Jeff Beck. Eric Clapton também havia passado pela banda, o que caracterizou-a como a banda de grandes guitarristas. Page influenciou muitos guitarristas nas décadas seguintes e se utilizava das escalas de bles para compor músicas de rock.

Antes da virada anos 60/70, se firmar como a época de novas revoluções musicais, veio a sagração da contracultura: o Festival de Woodstock. Entre os dias 15 e 17 de agosto de 1969, após os acontecimentos políticos de 1968, o festival representou a convergência cultural do movimento hippie. Em um grande campo aberto, em White Lake, New York, cerca de 500 mil pessoas viveram três dias de "paz e amor", embaladas pelo som dos maiores artistas de rock.

O ingresso para um dia de Woodstock custava 7 dólares, mas a maioria do público quebrou as cercas e entrou sem pagar nada. Joan Baez, Janis Joplin, Jimi Hendrix, The Who, Grateful Dead, Joe Cocker, Creedence Clearwater, Jefferson Airplane, entre outros, se apresentaram a uma multidão que aguardava o sonho hippie ser concretizado. Na realidade, os que vivenciaram os três dias de festival, "saíram de lá sentindo-se ungidos de santidade, como seres privilegiados de outro planeta, superior" (MUGGIATI, 1985, p. 45). O evento foi documentado em um filme de mais de três horas de duração, dirigido por Michael Wadleigh.

Mas, o sonho acabou.

Após os assassinatos da atriz Sharon Tate (mulher do diretor de cinema Roman Polanski) e do casal Labianca, cometidos por fãs hippies fanáticos, seguidores da seita liderada por Charles Manson, abalando o mundo e ajudando a exterminar o movimento hippie nos Estados Unidos. "Misturando Bíblia e Beatles em sua imaginação distorcida, Manson lhe dava uma interpretação altamente pessoal, em que se via como o agente de um novo Apocalipse" (MUGGIATI, 1985, p. 49). Tanto na casa de Sharon como do casal Labianca, foram encontrados inscrições a sangue nas paredes. No último caso, as palavras PIGS E HELTER SKELTER foram escritas com o sangue das próprias vítimas na porta da geladeira. As palavras são alusões a duas cançoes dos Beatles: Piggies e Helter Skelter.

Além do desastre do Festival de Altamont, onde um dos membros do Hell Angels esfaquearam um jovem negro, o ex-guitarrista do Rolling Stones, Brian Jones veio a falecer,  em 1968. O acontecimento antecipou a perda da tríade Janis-Hendrix-Morrison, já citada por aqui.  Isso resultou em um grande desfalque para a música, fazendo da década de 60, a década mais triste para o rock.

Fonte: Club Rock Brasil


*Ellen Carmaine é produtora musical da produtora cinematográfica da Camera Pro Films, guitarrista da banda Klethus e, nas horas vagas, gosta de navegar na internet garimpando novidades musicais.